Comunicado,



O menu não está funcionando por conta de umas mudanças que estou fazendo no blog.

Em breve tudo estará pronto.Aos meus visitantes peço desculpas pelo transtorno porém coloquei um sofá para que todos não se cansem muito.

A partir de agora todas as postagens do Blog "Assado, Cozido ou Cru?" e"Palavras alheias já que minhas não são." estarão neste Blog:

Entre-Laços!
Enfim tudo Azul e ponto.


Oi!

Oi!
Entrem e sintam-se a vontade pra ler, comentar.É sempre uma honra recebê-los.

30/10/2017

De Verdade



Ontem tem reunida a alguns amigos, falamos sobre a mulher e seus posicionamentos diante do homem. A mulher exigente, a mulher coitadinha, a mandona, a depressiva, a ciumenta. Nossa quanta característica que se eu colocasse todas neste texto, mais pareceria com um relatório do D.E.I.C. Então não seria um texto seria um relatório. Que óbvio. Bom depois de muitas suposições o assunto encerrou-se sem que se chegasse a uma conclusão. Natural.

Quando fui me deitar o assunto voltou à lembrança e fiquei pensando... Aí mora o perigo, mulher pensando!!! (Que pensamento mais machista!!!).Eu como mulher, me coloquei no lugar de uma flor. Primeiro uma semente que é plantada sem saber onde e por quem. Sem saber se fará sol, se choverá, apenas atreve-se, é ousada. Não sabendo se será cuidada ou se será colhida. Porque estar em um jardim pode e é muito diferente de estar em um vaso.

Neste instante fiz uma ligação, se as mulheres são flores os homens seriam o que? Claro um jardineiro. Alguns bons... Outros nem tanto. Apesar disso, mesmo as flores e jardineiros sendo variados, estão aqui, flor e jardineiro para uma parceria. A flor dá sua beleza e perfume o jardineiro seus cuidados. Para serem cúmplices de um crime perfeito.

Amar e ser amado.

Tudo isso são"viagens"minhas. Porém de uma coisa tenho absoluta convicção. Sempre haverá quem procure a flor e se torne seu "jardineiro", e sempre haverá uma flor querendo ser "achada"(cultivada).

Não sou porta voz das mulheres nem sou dona da verdade.

Falo a minha. Ouvirei a sua, de verdade.





Texto de LisPareto
Imagem do Google




22/07/2015

TIAGO IORC What a Wonderful World (Letra e Tradução 1)








Ser ou não ser...

William Shakespeare

"Ser ou não ser, eis a questão.
Será mais nobre sofrer na alma
Pedradas e flechadas do destino feroz
Ou pegar em armas contra o mar de angústias
E, combatendo-o, dar-lhe fim?
Morrer; dormir;
Só isso. E com o sono - dizem - extinguir
Dores do coração e as mil mazelas naturais
A que a carne é sujeita; eis uma consumação
Ardentemente desejável. Morrer, dormir...
Dormir! Talvez sonhar. Aí está o obstáculo!
Os sonhos que hão de vir no sono da morte
Quando tivermos escapado ao tumulto vital
Nos obrigam a hesitar: e é essa reflexão
Que dá à desventura uma vida tão longa.
Pois quem suportaria o açoite
e os insultos do mundo,
A afronta do opressor, o desdém do orgulhoso,
As pontadas do amor humilhado,
as delongas da lei,
A prepotência do mando, e o achincalhe
Que o mérito paciente recebe dos inúteis,
Podendo, ele próprio, encontrar seu repouso
Com um simples punhal?
Quem agüentaria fardos,
Gemendo e suando numa vida servil,
Senão, porque o terror de alguma
coisa após a morte -
O país não descoberto, de cujos confins
Jamais voltou nenhum viajante
nos confunde a vontade,
Nos faz preferir e suportar males que já temos,
A fugirmos para outros que desconhecemos?
E assim a reflexão faz todos nós covardes.
E assim o matiz natural da decisão
Se transforma no doentio pálido do pensamento.
E empreitadas de vigor e coragem,
Refletidas demais, saem de seu caminho,
Perdem o nome de ação."


(Tradução de Millôr Fernandes)


08/05/2014

Cândido Portinari

Vim da terra vermelha e do
Cafezal.
As almas penadas, os brejos e as matas virgens
Acompanham-me como espantalho,
Que é meu auto-retrato.
Todas as coisas
Frágeis e pobres
Se parecem comigo.

Minha pupila estará cheia
De tanta gente? Mas está vazia…
Fantasmas movendo-se
Sem existência.
.....

Cândido Portinari

23/04/2014

Carl Sagan



" Em algum lugar, alguma coisa incrível está esperando para ser conhecida."
 
 
Carl Sagan